» Ser professora – entrega e desapego !

Ser professora – entrega e desapego !

Ser professora – entrega e desapego !
Qual a manchete de hoje?

Todos os dias somos assoladas pelas mensagens que chegam de todas as fontes.

Redes sociais, emails, convites para eventos e um outro tanto de formatos buscando os clientes e possíveis pagantes de tickets para o próximo evento imperdível.

Claro que estou incluída no grupo daqueles que buscam, um contato, uma reaproximação, e a possibilidade da sobrevivência dentro do mercado de dança.

Todas as sonhadoras de plantão, que um dia se apaixonaram pelo dançar mas que posteriormente, buscaram sua permanência ensinando ou de alguma forma compartilhando os conhecimentos adquuiridos.

Neste mar de gente, com todo tipo de corrente subterrânea atuante, nadam todas as pessoas. As alunas eternas que se transformaram em professoras perenes, as alunas acidentais, que aparecem hoje e daqui a dois meses, as professoras improvisadas , que nunca planejaram a carreira mas afinal lá estão e as sonhadoras sem rumo certo que ainda não sabem para onde vão.
Não haveria espaço para definir quantas espécies diferentes temos neste oceano único.

Mas me coloco a pensar na relação aluna, professora.

Como aluna, nunca me esqueci de meus professores, e seja por delicadeza, generosidade aprendida ou simples honestidade, dentro de mim dou a cada um créditos específicos por minha trajetória.

Não há para mim uma figura negativa neste caminho,pois até as experiências que não foram tão prazeirosas, tinham um intuito maior de me ensinar algo.
Como uma moeda que tem duas faces, toda e qualquer situação que vivemos, apresenta a mesma bipolaridade visionária.

Se eu estiver preparada para ver da melhor forma ísso é o que farei, e minha mente vai buscar todos os argumentos para sedimentar minha crença.
Se porventura minha pre disposição é ver do pior ângulo possível, é assim que meu mental vai funcionar, e eu terei tudo o o que preciso para corroborar minhas teorias.

Acho então que decidi ser  Polianna a menina do dedo verde.

Vejo tudo pelo melhor lado e dispenso a crueza daqueles que optam pelo lado sombra de cada dia.

E por isso acabo me protegendo do que poderia causar estragos e aqui vem a professora.

A professora que vive dentro de mim, é uma aluna voraz, e sendo assim, nunca está satisfeita. Mais ou menos como os clientes de spa que decidem fazer uma dieta maluca de 600 calorias e ficam desesperados com o prato minguado de salada do almoço….
Sou assim com a dança e quero sempre mais.

Isso me leva ao estudo e também me separa do grupo que carrega a bandeira ” Eu já sei”

A busca incessante e a dúvida intermitente me empurram sempre na direção de novos caminhos
Diferente da posição de outros , para mim um professor é um professor para sempre. Uma vez que alguém tenha ocupado esta posição em minha vida, não há como retirar o significado .

Cada um que encontrei deixou em mim um eco e uma marca , que me acompanham e me auxiliam na lida diária, da criação de aulas, sequencias e propostas. Recordo momentos e passagens e percebo o quanto cada pessoa entalhou em minha persona bailarina, um pouco de sua própria arte, crença e sensibilidade.

Por isso, não me sinto machucada ou deixada para trás, pelos esquecidos de plantão e este exercício de desapego deveria fazer parte do nosso dia a dia enquanto professoras.

Quando decidimos doar, esse ato tem que ser livre de espera retributiva. De outra maneira sua espera será um mar de ansiedade represada, esperando que alguém lhe dê de volta  aquilo que em princípio você ofereceu de bom grado.

Não espere que seu nome seja mencionado como por direito. Ele será se para aquela pessoa vc fez diferença.
Não podemos comprar o reconhecimento, ele é dado gratuitamente, e é genuíno. Contra ele não há armas ou manipulações.

Grata por saber que ainda existem coisas preciosas que não podem ser tocadas pelo marketing, bom ou mau.

A verdade permanece mas a propaganda se esvai.

Aquilo que não me mata me fortalece, e o que não me apaga me ilumina
Fecho então com a frase que saiu da boca de uma escritora de 80 anos como uma das lições que ela aprendeu na vida!

O que os outros dizem a seu respeito, não é absolutamente da sua conta!!!

viva a vida e  para todos minha gratidão!!!

Abaixo imagens dos momentos
1 meu aniversário em Curitiba – grupo de estudos – no espaço da Regina -
2  Sicília 2011
3 Brasília ago 2011

Alguns momentos de outros tantos, as pessoas que me tiram e me mandam de volta para SP e Itu

Up